sábado, 9 de novembro de 2013

Artes plásticas para crianças.

O Garatuja realiza oficinas de artes plásticas para crianças desde o inicio da década de oitenta. Completamos recentemente trinta anos de trabalhos consecutivos. No início as atividades eram voltadas ao público pagante, pois não havia políticas públicas que atendessem as demandas e necessidades de quem não tivesse condições financeiras de pagar uma mensalidade. A partir de 2003 delineou-se o Programa Cultura Viva com uma série de ações que alavancaram e democratizaram o acesso da maioria da população as ações culturais. Para se adaptar a nova realidade criamos em 2005 o Instituto de Arte e Cultura Garatuja. Com essa nova configuração jurídica foi possível participar de editais públicos e disponibilizar nosso espaço, conhecimento e energia para o público de baixa renda, e com interesse e aptidão para as artes. Nosso trabalho é dividido basicamente em artes cênicas e artes visuais. Em 2013, depois de nove anos oferecendo cursos gratuitos a estudantes de escolas públicas, a Oficina de Artes Visuais volta a atender o público em geral com aulas particulares. Serão quarenta vagas divididas em quatro turmas. As Oficinas acontecerão somente em dois dias da semana: segunda e terça feira. As aulas acontecerão uma vez por semana para cada turma, no período da manhã e da tarde. Na segunda será para crianças de 10 a 14 anos e na terça para os de 6 a 9 anos. No período da manhã as aulas serão das 9 às 11hs e à tarde das 14 às 16hs. Nos mesmos dias, no final da tarde ou à noite serão atendidas outras faixas etárias. Cada oficina semestral terá um plano de aulas com 40 horas pagas em seis parcelas (de fevereiro a julho e de agosto a janeiro). O investimento é de R$ 150, 00 mensais e uma matrícula semestral de R$ 80,00. Estamos em promoção excluindo a matricula do primeiro semestre para quem iniciar o curso em fevereiro de 2014. Todo material necessário para o desenvolvimento do curso está incluído nesse preço. Ao longo desses trinta anos, o trabalho da oficina de artes visuais foi ganhando características próprias no ensino das artes para crianças. Antigas técnicas do fazer artístico foram incorporadas aos sistemas digitais. Em muitas delas primeiro a criança vivencia o processo analógico e originário e somente depois trabalha no computador. Com isso, além de conhecer a história daquele procedimento, ela tem a oportunidade de utilizar vários materiais, instrumentos e ferramentas que raramente tem oportunidade de usar em casa. São mais de duzentas técnicas adaptadas ou desenvolvidas para a utilização da criança, além da gravura, fotografia, animação, marcenaria, etc. O mais importante é que tudo isso está a serviço do imaginário e do lúdico infantil. Mais que ensinar técnicas é necessário despertar ou manter o interesse da criança pela expressão gráfica. A infância é um período muito curto de nossas vidas e ao mesmo tempo determinante em nosso futuro. Invista em seu filho. Conhecimento é o único bem que levamos pra vida toda. Para conhecer melhor nosso trabalho acesse os blogs temáticos que criamos para cada área de atuação: audiovisualquadrinhos, fotografia, humor, além do site, facebook, youtube, e flickr. Quer saber onde fica? clique aqui!

Oficinas:
Artes Plásticas para crianças.
Dias:
Segunda, das 9 às 11 horas ou das 14 às 16 horas para crianças de 6 a 9 anos
Terça, das 9 às 11 horas ou das 14 às 16 horas para crianças de 7 a 14 anos.
Investimento:
R$ 150,00 mensais
Matrícula semestral:
R$ 80,00
Promoção:
Abono de uma matrícula semestral para quem começar em janeiro de 2014.








domingo, 3 de novembro de 2013

Workshops de balé e danças brasileiras acontecem no garatuja em novembro e dezembro.


O Instituto de Arte e Cultura Garatuja e a Prefeitura da Estância de Atibaia estão realizando workshops gratuitos no projeto As Linguagens da Dança. Estão programados vários workshops a partir do dia 9 de novembro, próximo fim de semana. Trata-se de uma oficina intensiva com carga horária distribuida em dois únicos dias, sábado das 9 h as 13 h, das 14 h as 18 e domingo das 14 as 18 h. O primeiro, dias 9 e 10 de dezembro, será com a professora Thais Magalhães, dedicado a crianças que estão se iniciando na dança clássica com idade entre 10 e 14 anos. O workshop incluirá noções de barra, passos básicos de centro do balé e exercícios posturais. Dias 15, 16 e 17 é a vez do workshop de Danças Brasileiras da Região Norte, com Christiane Alcântara, para jovens a partir de 14 anos, incluindo danças do Maranhão como o cacuriá, o tambor de criola e o bumba-meu-boi. Finalizando o mês de novembro,  dias 23 e 24,  o terceiro workshop será com a professora Heydi Milhose, Balé Intermediário, dedicado a jovens a partir de 14 anos, incluindo práticas de barra, centro e sequências. Em dezembro também acontecem mais dois workshops de dança clássica dias 7 e 8, com Thais e 15 e 15 com Heydi. Os workshops fazem parte do Programa de Formação do Projeto As Linguagens da Dança apoiado pela Prefeitura. Este tipo de oficina ajuda as crianças a entender melhor a dinâmica das aulas de dança proporcionando mais entusiasmo para praticar atividades artisticas É importante que os pais ou responsáveis identifiquem se as criança têm interesse na dança. Para inscrever o responsável deve preencher os formulários no IAC Garatuja e apresentar cópia simples de comprovante de residência, RG e CPF, além de uma declaração da escola onde a criança estuda. Os cursos extensivos acontecem em vários horários, para balé, ludodança, dança moderna, danças brasileiras e canto coral.  O projeto esta formando uma equipe com prioridade aos profissionais dedicados à cidade de Atibaia. Inicialmente, em 2013, nas modalidades de Balé infantil, as professoras Thais Magalhães, Heydi Milhose, nas Danças Brasileiras, Christiane Alcântara e Élsie que desenvolve tambám as atividades de Ludodança e Dança Moderna (Laban) coordenando o projeto. Nas aulas de Musicalização, Canto Coral e Coral Percussivo, está a frente a professora Roberta Forte. Um dos objetivos do projeto é ampliar a visibilidade dos trabalhos do segmento da dança e atender à um público com menos oportunidades de acesso às academias. Local: Instituto de Arte e Cultura Garatuja Endereço: Rua Esmeraldo Tarquínio, 346 D - Jardim Tapajós – Atibaia/SP – Fone: (11) 4412-9964 – Atendimento das 9 h as 12 h e das 14 as 20 h. Mais informações no link http://institutogaratuja.blogspot.com.br/2013/10/aulas-de-danca-gratuitas-para.html e no site: www.garatuja.org.br. E-mail: garatuja.arte@ig.com.br



















terça-feira, 8 de outubro de 2013

Aulas de Dança Gratuitas para Estudantes de Escolas Públicas




















As oficinas fazem parte do Programa de Formação do Projeto As Linguagens da Dança apoiado pela Prefeitura da Estância de Atibaia. O projeto As Linguagens da Dança está se desenvolvendo em duas frentes. A primeira, na formação do Corpo de Dança e a segunda, na Formação de crianças e jovens para futuramente participarem do Grupo. Várias oficinas, estão com inscrições abertas para crianças de escolas públicas, de 7 a 9  e 10 a 14 anos. É importante que os pais ou responsáveis identifiquem se a criança realmente tem interesse na dança ou no canto. Para inscrever o responsável deve preencher os formulários no IAC Garatuja e apresentar cópia simples de comprovante de residência, RG e CPF, além de uma declaração da escola onde a criança estuda.

Os cursos acontecem em vários horários, pela manhã e a tarde, totalizando 50 vagas para balé, ludodança, dança moderna, danças brasileiras e canto coral. Foi formado um grupo de professoras. Inicialmente, estão participando do projeto as professoras Thais Magalhães, Heydi Milhose, Élsie da Costa e Roberta Forte. Nas modalidades de Balé infantil, as professoras Thais Magalhães, Heydi Milhose e nas atividades de Ludodança, Dança Moderna e Danças Brasileiras, Élsie da Costa que coordena o projeto. Nas aulas de Musicalização, Canto Coral e Coral Percussivo, está a frente a professora Roberta Forte. Um dos objetivos do projeto é ampliar a visibilidade dos trabalhos do segmento da dança e atender à um público com menos oportunidades de acesso às academias. Local: Instituto de Arte e Cultura Garatuja Endereço: Rua Esmeraldo Tarquínio, 346 D - Jardim Tapajós – Atibaia/SP – Fone: (11)4412-9964 – Mais informações no site: www.garatuja.org.br. E-mail: garatuja.arte@ig.com.br






terça-feira, 24 de setembro de 2013

Garatuja na Câmara Municipal de Atibaia




















Na sessão do dia 23 de setembro estivemos na Câmara Municipal de Atibaia ocupando a Tribuna Livre, espaço de vinte minutos cedido à sociedade civil. Na oportunidade pudemos exibir o teaser de nosso documentário (que será lançado em outubro), e expor nossa trajetória de trabalho aos vereadores da cidade. Salientamos que o Instituto Garatuja já havia sido homenageado pela casa, em 2006, quando a entidade se tornou de utilidade pública por iniciativa do ex-vereador Ismael Fernandes. Nessa sessão estavam presente pessoas, cujos filhos já foram alunos do Garatuja, como Paulo Gigliotti, Benedita Nischiguti, e mesmo os vereadores Ubiratan Oliveira e Paulo Catta Preta. São trinta anos voltados a formação artística de jovens e crianças da região, e pela própria característica do trabalho, nem sempre temos a visibilidade adequada. Essa visibilidade só é possível quando apresentamos o resultado de nosso trabalho como as exposições, mostras e exibições. Esse encontro tem um valor simbólico, de compromisso e comprometimento entre a Entidade e o Poder Público. Fomos por cinco anos consecutivos apoiados pelo Ministério da Cultura e pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, por meio de convênio do Ponto de Cultura. Atualmente firmamos convênio com a Prefeitura de Atibaia para o projeto As Linguagens da Dança. Gostaríamos de salientar a maneira carinhosa com que fomos recebidos por todos os vereadores presentes, e agradecer aos funcionários e principalmente ao Presidente da Câmara Emil Ono pelo espaço cedido. Queríamos agradecer também ao Thiego, que fez o registro do evento, e a nossa amiga Ísis Gonçalves, diretora da E.E. Carlos José Ribeiro, além das professoras Claudia e Clarice que mobilizaram estudantes para acompanhar e prestigiar a sessão da Câmara. Alguns desses jovens, participantes do Ponto de Cultura IAC Garatuja, tiveram a oportunidade de conhecer como acontece o processo político institucionalizado pela primeira vez. Embora distante da realidade diária deles, foi uma aula de cidadania, como bem foi destacado por vários vereadores em seus pronunciamentos.

Pequena mostra de trabalhos montado no saguão
de entrada da Câmara Municipal de Atibaia.


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Coral Percussivo contribui para formação em dança no Ponto de Cultura Garatuja



















O Instituto Garatuja esta disponibilizando 20 vagas para a oficina gratuita de Canto e Coral Percussivo no projeto As linguagens da Dança realizado com apoio da Prefeitura da Estância de Atibaia. A oficina acontece às sextas feiras, das 19 às 21 horas, e são direcionadas para o público jovem. Das 20 vagas, 10 são para vozes masculinas. Esta oficina objetiva a continuidade do Coral Percussivo formado no projeto anterior do Ponto de Cultura. O objetivo desta oficina é o vínculo com as atividades da dança. Como na dança se incluem cantos em danças populares, é fundamental existir uma atividade com suporte pedagógico e técnico nesta modalidade. Nesta oficina serão trabalhados, ritmo, melodia , harmonia, percussão corporal entre outros aspectos específicos da musicalização, considerando-se a tessitura vocal dos  jovens. O Coral Percussivo é uma proposta de musicalização, iniciação e aprimoramento musical, fundamentada na capacidade que temos de utilizar a voz e o corpo como instrumentos musicais. As aulas tem por objetivo propiciar o estudo da música por intermédio do canto coral e dos sons corporais, estimular o contato com o corpo, a capacidade de memorização, a assimilação corporal do ritmo e da criação musical espontânea, além da convivência, criação e produção em grupo. Serão abordadas técnicas tradicionais e populares do canto coral e percussão corporal. No conteúdo programático serão desenvolvidos vários elementos e exercícios como, técnicas vocais e de respiração, afinação, exploração dos sons do corpo, divisão e subdivisão rítmica, sequências coordenadas, ritmos brasileiros trabalhados com o corpo. As aulas serão ministradas por Roberta Forte, educadora musical, compositora, regente, diretora musical, especializada em musicalização infantil e percussão corporal. Roberta trabalhou por muitos anos com o grupo Barbatuques, coordenando e ministrando oficinas e fazendo apresentações. Dirigiu musicais e peças teatrais infantis (site: www.robetaforte.com.br).  A oficina acontecerá no Ponto de Cultura, Instituto de arte e Cultura Garatuja. Atualmente o projeto está contando com o apoio da Prefeitura da Estância de Atibaia, para continuidade das ações iniciadas anteriormente. As inscrições estão abertas até à 27 de setembro e o atendimento acontece das 9 às 12 h e das 14 às 18 h. No ato das inscrições será feita uma entrevista e preenchida a ficha de inscrição e termo de responsabilidade. Os interessados devem apresentar cópia xerox de CPF, RG e comprovante de residência dos responsáveis.O telefone para contato é (11) 4412-9964. O Instituto de Arte e Cultura Garatuja fica na Rua Esmeraldo Tarquínio 346 D, Jardim Tapajós, em Atibaia. site: www.garatuja.org.br. E-mail: garatuja.arte@ig.com.br. Não perca esta oportunidade.

domingo, 15 de setembro de 2013

Projeto As Linguagens da Dança retoma Corpo Cênico de Dança de Atibaia.




















O Instituto de Arte e Cultura Garatuja informa que dará inicio ao Projeto As Linguagens da Dança, com oficinas gratuitas, que conta com a parceria da Prefeitura da Estância de Atibaia, por meio da Secretaria de Cultura e Eventos. O projeto é continuidade do trabalho desenvolvido anteriormente pelo Ponto de Cultura, e as propostas visam à reestruturação do Corpo Cênico de Dança de Atibaia, criado em 2007, por meio das oficinas culturais do Estado. Esse trabalho havia recebido apoio das esferas Estadual e Federal, especialmente a partir de 2010, com a habilitação do Garatuja como Ponto de Cultura (MINC/SEC-SP). Após a finalização desses convênios, que perduraram de 2008 à 2012, o grupo formado ficou desamparado. A parceria, através de convênio municipal com a Prefeitura, era o único apoio ainda não conquistado pela entidade. Essa parceria visa ainda às comemorações das três décadas de atividades consecutivas, de ações artísticas e culturais, em Atibaia. A data de comemoração será em outubro, com o lançamento do DVD Garatujas e Cambalhotas – Registro e Documentação da Arte na Infância e do CD Criandanças. O Garatuja possui espaço adequado e equipado, cujo imóvel está cedido junto com equipamentos adquiridos pelos artistas ao longo destas três décadas. Isso corresponde a uma contrapartida na medida em que se deixa de capitalizar financeiramente com o imóvel, na cessão de uso para projetos de atendimento à estudantes da rede pública de educação. Além disto, com o Ponto de Cultura, recursos federais e estaduais foram destinados para fomentar as atividades, que devem ser utilizados para atendimento público, motivo de se buscar também apoio/parceria do município, sob a forma de convênio, para continuidade das ações. O que justifica o subsídio de ações como estas, do Garatuja, é o fato de se trabalhar com crianças e jovens, cujo produto artístico e educativo não geram renda própria que contribuam para sustentabilidade da entidade. O programa elaborado para esse projeto objetiva inserir novos componentes ao grupo e o desenvolvimento continuado da dança para jovens de escolas públicas. Alguns destes jovens, ao se descobrirem na dança, almejam dar continuidade via universidades, mas não encontram lugares onde possam se desenvolver, tanto tecnicamente, quanto sobre as possibilidades expressivas destas linguagens. O projeto prevê dar uma informação geral das possibilidades da dança e outras possibilidades cênicas, apoiando-se na história geral e brasileira da arte e da dança com um curso que contempla aulas diversificadas, em graus de desenvolvimento conforme a informação prévia e a idade dos jovens.  A continuidade das oficinas é para: a) aprimorar o trabalho existente; b) manter as atividades técnicas e expressivas em grupo; c) sedimentar e dar visibilidade ao grupo cênico da dança e do canto coral. O grupo formado deve ter a vivência nos diferentes processos, motivo de juntar as propostas da dança clássica, com as de moderno, a contemporânea e outras práticas corporais que conscientizem o movimento, desenvolvendo, tanto a dança como o teatro. A interação da dança com o teatro é hoje uma realidade, e está presente tanto na linguagem das apresentações cênicas, como na formação de atores e bailarinos. A dança clássica é trabalhada porque vem de encontro a uma demanda existente e, além disso, é uma base essencial para quem quer seguir qualquer outro estilo de dança ou arte cênica. Importante enfatizar que a dança requer conhecimento, técnica e treino constantes. As danças e ritmos tradicionais brasileiros são enfocados com a finalidade de ampliar o conhecimento e estabelecer vínculos com a identidade cultural regional e nacional. O programa do curso inclui vários trabalhos práticos sobre o corpo em movimento, como consciência corporal, alongamento e abertura, a estrutura do corpo e anatomia, domínio do movimento, história da dança, práticas de dança clássica, com barre-a-la-terre, barra e seqüências de centro e praticas em pontas, danças brasileiras, percussão,  musicalização, canto e percussão corporal . A oficina é direcionada à formação do Corpo de Dança de Atibaia, para público jovens, a partir dos 14 anos, estudantes da rede pública municipal e estadual de ensino médio, além de outros interessados, que preferencialmente já tenham tido alguma prática de dança, ou já estar integrado ao Ponto de Cultura. Também serão abertos grupos para formação de crianças do ensino fundamental, a partir de 7 anos e um grupo de adultos cuja finalidade é a interação com os pais. As vagas são limitadas e as inscrições estão abertas até o dia 27 de setembro. Dia 28, sábado, acontecerá uma seleção prática dos incritos para o Corpo de Dança, para os jovens acima de 14 anos, considerando ainda fatores como a disponibilidade do interessado para manter a frequência nas aulas e ensaios. As demais oficinas não terão seleção prática, porém haverão outros critérios verificados em entrevista no ato da inscrição. O resultado da seleção será divulgado nesse blog do Garatuja, até o dia 30 de setembro. No ato das inscrições o interessado terá de assinar um termo de responsabilidade. Para as inscrições apresentar cópia xerox de CPF, RG e comprovante de residência dos responsáveis. Local: Instituto de Arte e Cultura Garatuja. Rua Esmeraldo Tarquínio, 346 D - Jardim Tapajós – Atibaia/SP – Fone: (11) 4412-9964 . O horário de funcionamento é de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 14h às 18h. Sábado: das 9h às 13h. Mais informações sobre o Instituto Garatuja no site: www.garatuja.org.br , ou então em nossos blogs temáticos lincados ao lado. O e-mail é: garatuja.arte@ig.com.br







sábado, 7 de setembro de 2013

Isabela Escudeiro é premiada na Festa das Flores.

Ficamos felizes com a premiação da Isabela Escudeiro Moraes Galvão, de 9 anos, no Concurso de Desenho Infantil  realizado pela Associação Hortolândia de Atibaia. Esse evento já está na oitava edição e sempre acontece dentro das Festas das Flores e Morangos de Atibaia. A Isabela ganhou primeiro lugar na categoria terceiro ano e participou em 2011 a 2012 do projeto Garatujas e Cambalhotas realizado pelo Instituto Garatuja. Esse projeto tinha como objetivo registrar nosso trabalho de trinta anos de atividades voltadas ao ensino da arte para jovens e crianças da região. Esse material foi utilizado no documentário Garatujas e Cambalhotas – Expressão e Arte na Infância, que será lançado em outubro. Durante o tempo em que a Isabela frequentou nossas oficinas o que me chamou atenção foi seu potencial criativo, expresso numa estética absolutamente original. Tenho como conduta preservar ao máximo essa qualidade presente em toda criança... e com a Isabela isso foi muito fácil. Era visível sua originalidade, presente já nos primeiros traçados de qualquer desenho que realizava. Ao contrário da grande maioria das crianças, o desenho da Isabela sempre começava de fora para dentro, num traço continuo e único, quase sem interromper o movimento do lápis deixando surgir rapidamente os detalhes da imagem. Lembro-me do enorme prazer que sentia ao vê-la desenhar. A impressão que  tinha era de que sua ideia, em relação ao que iria colocar no papel, já estava tão clara em sua mente, que pouco importava de onde partir. Na maioria das vezes a criança realiza cada detalhe de seu desenho num grau de envolvimento enorme, “curtindo” cada traçado, cheio de sentido e significado. Esse estado lúdico leva um tempo maior até concluir o trabalho. No caso da Isabela, esse tempo era incompatível com os demais participantes da oficina: enquanto outras crianças faziam um desenho, a Isabela fazia cinco. Isso logicamente não representa nenhum juízo de valor, é apenas uma característica própria da sua personalidade, e como tal, imagino que deva ser preservado. Se consegui fazer  isso com ela, já valeu. O mérito desse prêmio é todo dela. Além de dar os parabéns a Isabela, gostaria de parabenizar o Presidente da Associação Hortolândia, Sr Nelson Takao Yoshida e demais envolvidos na organização do concurso. Gostaria de parabenizar também a Emef Serafina de Lucas Cherfen, na pessoa da Diretora Leonice Maria da Silva e da Professora Cristiana Braga e principalmente a família da Isabela, que conheço há bastante tempo: a avó Dona Rosa, a mãe Cristiane (que foi uma de minhas primeiras alunas em 1983), a tia Grasiela e salientar a importância do apoio familiar na formação de qualquer cidadão: por trás de cada criança feliz, caso da Isabela, tem sempre uma família atenta e pronta para incentivar suas ações.

O Presidente da Câmara, Emil Ono, entrega o prêmio à Isabela.






Márcio Zago, do Garatuja, e Isabela Escudeiro.



















Viva!!!!



domingo, 18 de agosto de 2013

Mais uma estrela...

Cláudio Donizete da Silva Junior,
12 anos.
Muito triste. Em mais de três décadas, quase diariamente trabalhando com jovens e crianças, poucas vezes tive de conviver com a perda de um garoto de maneira tão inesperada. Um aneurisma levou o Cláudio. Fica a lembrança de um menino por vezes "traquinas”, por vezes concentrado (como é todo garoto feliz). Aqui no Garatuja ele teve comigo o desafio de transpor para o papel o que trazia na alma. O desenho não era bem sua praia... meu esforço foi mostrá-lo que desenhar também podia ser prazeroso. O resultado foi uma história em quadrinhos feita com muito esforço. Uma dessas pequenas conquistas que compõe nosso repertório de vida. Sei da importância que esses momentos e oportunidades tiveram para ele, naquele momento, e sei como essa historinha está sendo importante pra mim, agora. Pena que a vida lhe tenha sido tão breve.
-Cláudio : A animação "Bolas em Fúria", que você ajudou a fazer, será em sua homenagem. Vai com Deus...os alienígenas ainda não atacaram a terra, e agora, de onde você estiver poderá nos ajudar e interceptar a espaçonave. Aqui na terra os meninos precisam continuar jogando bola...


















quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Garatuja distribui DVD e CD, resultado do trabalho como Ponto de Cultura, na Teia Paulista 2013




















Durante a realização da Teia, que aconteceu de 08 a 11 de agosto, o Garatuja distribuiu aos Pontos de Cultura presentes o material produzido no projeto Garatujas e Cambalhotas – Registro e Documentação da Arte na Infância. Com essa distribuição damos continuidade ao lançamento oficial desse material. O primeiro exemplar foi entregue ao Prefeito Municipal de Atibaia, Saulo Pedroso. O lançamento é uma das formas de prestamos contas à sociedade do trabalho realizado, durante três anos, com recursos da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e do Ministério da Cultura. Nosso plano de trabalho como Ponto de Cultura, iniciado em 2009, sistematizou as iniciativas desenvolvidas pelo Garatuja nas últimas três décadas de atividades consecutivas. As oficinas e apresentações realizadas tinham objetivo de recriar situações para que pudéssemos registrar em vídeo e fotos esse trabalho. O projeto também possibilitou a catalogação, recuperação e arquivamento dos diversos materiais acumulados durante esse tempo, assim como, um aprofundamento reflexivo sobre dos processos e metodologias desenvolvidas pelo espaço. Em outra oportunidade esse material também será publicado em livros. O kit entregue aos Pontos é composto de DVD e um CD. O DVD Garatujas e Cambalhotas – Expressão e Arte na Infância é parte do resultado dessa sistematização e traça um perfil histórico e conceitual, tanto nas artes cênicas como nas artes plásticas, sobre a metodologia própria desenvolvida pelo Garatuja e voltado ao ensino das artes para crianças. A dança, recebeu de sua criadora, Élsie da Costa, o nome de Ludodança em 1985, onde o lúdico é o elemento primordial do trabalho. Nas artes plásticas o diferencial é diálogo entre antigos processos do fazer artístico com as novas tecnologias digitais, aplicadas pelo artista plástico e fundador do Garatuja Márcio Zago. O CD Criandanças é resultado das oficinas de Canto Coral que aconteceu no projeto, e foi ministrada pela musicista Roberta Forte, formando o Coral Percussivo Garatujas e Cambalhotas. A TEIA foi um grande Encontro de Pontos de Cultura que reuniu a diversidade cultural do Estado de São Paulo, objetivando a troca de saberes e fazeres, numa grande comunhão, além do fortalecimento dos Marcos Legais do Programa Cultura Viva e das políticas públicas de cultura, do fomento das redes de relacionamento e da articulação institucional entre os Pontos, sociedade e governos. Paralelo aos eventos artísticos aconteceu também o Fórum Paulista dos Pontos de Cultura, instância política dos Pontos de Cultura que reuniu representantes dos demais encontros e fóruns municipais, estaduais ou regionais, além das áreas temáticas e das redes que compõem o Cultura Viva. A Teia do Estado de São Paulo foi organizado em gestão compartilhada entre os três entes federados – Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura e Secretaria Municipal de Cultura – e também da sociedade civil, representada pela Comissão Paulista dos Pontos de Cultura.  Na abertura oficial da Teia estiveram presentes personalidades da área cultural, artística e autoridades como, a Ministra da Cultura Marta Suplicy, o Secretário de Estado da Cultura de São Paulo Marcelo Araújo, o Secretário Municipal de Cultura de São Paulo Juca Ferreira, o Diretor-geral do Teatro Municipal de São Paulo José Luiz Herência, o Diretor – Presidente  do Serpro, Marcos Vinícius Ferreira Mazoni e a representante da Comissão Paulista dos Pontos de Cultura Isabel Alves, a Mãe Isabel. No mesmo dia aconteceu também uma audiência pública sobre o Projeto Lei Política Cultural Paulista, a Lei Cultura Viva do Estado de São Paulo, apresentado pela autora da proposta, a Deputada Estadual Leci Brandão. Na ocasião estiveram presentes o Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Assembléia Legislativa de São Paulo, o Deputado Estadual João Paulo Rillo, a Secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Márcia Rollemberg, o representante regional do MINC em São Paulo Valério Benfica e demais autoridades. Todos eles receberam o Kit Garatuja. Com esse gesto acreditamos que além de evidenciar o nome de Atibaia no meio cultural e artístico, a entrega desse material para autoridades responsáveis pelos programas de fomento à cultura, tem um valor simbólico, de reconhecimento das ações, responsabilidade e compromisso mútuo, entre a sociedade e o Estado.

Os realizadores da Teia tiveram como uma das propostas o envolvimento dos Pontos de Cultura em todas ações necessárias à sua realização. A identidade visual do evento foi uma dessas propostas, por meio de concurso aberto para esse fim. O ganhador foi o Ponto de Cultura IAC Garatuja. O idealizador do logotipo, foi o artista gráfico, autodidata, Márcio Zago. Para saber mais sobre a logomarca click aqui!

Diversas autoridades receberam nosso material.







domingo, 4 de agosto de 2013

Nosso relato da Conferência.


Foram 51 inscritos na Conferência. Na foto alguns participantes...















Ficamos felizes com os resultados da 3a Conferência Municipal de Cultura de Atibaia, principalmente pelo clima que se estabeleceu entre os diversos envolvidos nas discussões. É uma clara demonstração de maturidade da classe artística que aos poucos percebe a importância de se ocupar os espaços legítimos de participação popular. Muitas das sugestões levantadas nessa Conferência, são as mesmas da Conferência anterior, deixando claro o que queremos para a cidade, e principalmente "como" queremos que essas ações aconteçam. A Conferência, e todo trabalho realizado dentro do Conselho de Cultura, é um processo exaustivo, mas extremamente necessário para que as políticas públicas cheguem a todos: artistas, fazedores de cultura, apreciadores, consumidores de cultura e principalmente a grande maioria da população que se encontra excluída desse direito. É o trabalho de "subsolo" que poucos querem fazer. Mais do que encher a cidade de eventos e atrações para todos os gostos, é necessário fomentar a cultura e a produção local. Criar mecanismos jurídicos, programas e metas de criação artística, de manutenção e de fruição onde todos sejam atendidos. Nesse sentido é necessário destacar o pouco envolvimento dos vereadores nesse processo. É uma pena constatar o desinteresse da classe política pelo tema. Da parte do Garatuja, na minha pessoa (Márcio) e da Élsie, que militamos na área cultural a mais de trinta anos entendemos ser hoje um novo momento pelo qual passa a cultura na cidade. Não temos filiação partidária, portanto temos isenção de opinião. Nossa causa é a cultura. Acreditamos que outros tiveram a oportunidade, cabe agora a nova administração cumprir ou não a tão esperada "gestão participativa" também na Cultura. Nossa atuação, como sociedade civil, é bastante limitada, mas nos dispomos a continuar ajudando no que for possível, seja acompanhando o Plano de Governo, seja atuando junto ao Conselho de Cultura. Nossa contribuição a essa gestão teve início na elaboração do Plano de Governo para a Cultura, onde enfatizávamos a necessidade da cidade aderir ao Sistema Nacional de Cultura, o apoio ao fomento e outras causas pelas quais já vínhamos defendendo desde 2000. Depois da posse tomamos a iniciativa de mobilizar pessoas ligadas à Cultura e tiramos um documento, que foi entregue ao Prefeito eleito, que reafirmava a importância dessas ações, bem como a necessidade de democratização e maior participação dos artistas locais nas ações e principalmente nas decisões municipais. A realização da Conferência realizada, já demonstra o interesse do Poder Público em ouvir os anseios da classe cultural e artística. É somente o inicio, mas um passo importante para os encaminhamentos necessários. Esperamos, sinceramente, que os novos dirigentes culturais tenham a compreensão, o envolvimento e a "paixão" necessária para os avanços nesta área. As cartas estão na mesa, a próxima jogada é do Poder Público, para aderir ao Sistema Nacional de Cultura, implementar as propostas apresentadas e destinar recursos. Agora é aguardar ...

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Garatuja é recebido pelo Prefeito Saulo.


Foto de Fabiano Polayna.

Nessa terça-feira, 30 de julho, fomos recebidos no Gabinete do Exmo. Sr. Prefeito Saulo Pedroso, onde tivemos a oportunidade de oferecer o primeiro exemplar do DVD Garatujas e Cambalhotas – Expressão e Arte na Infância, documentário comemorativo aos trinta anos de trabalho do Garatuja.Nesse encontro também estiveram presentes o Secretário de Cultura Luis Otávio Fritolli, a Secretária de Comunicação  Viviane Cocco e Patrícia Peçanha da Secretaria de Governo. Numa longa conversa pudemos expor nosso histórico, experiências e expectativas quanto ao rumos da política cultural do Município, assim como oferecer nosso apoio ao trabalho realizado pelo novo governo. A entrega do primeiro exemplar para a autoridade máxima de Atibaia tem “importância simbólica” quanto ao respaldo e reconhecimento por parte do Poder Público, para as iniciativas desenvolvidas no município. Ficamos muito felizes pela acolhida, e com a esperança renovada de que num futuro próximo possamos contar com o incentivo da cidade, ampliando nossa abrangência, para que as ações desenvolvidas pelo Garatuja possa chegar a um maior número de pessoas. Nos últimos cinco anos nosso trabalho recebeu apoio do Ministério da Cultura e da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, através do Programa Mais Cultura e Pontos de Cultura. As oficinas eram direcionadas a jovens e crianças de escolas públicas de forma gratuita. Até então nosso trabalho não recebeu apoio efetivo do município, daí nossa alegria com essa possibilidade. São trinta anos dedicados exclusivamente à cidade de Atibaia. Chegar a três décadas com trabalhos artísticos, especialmente os de formação, e de forma consecutiva, demonstra empenho redobrado e muita persistência. As iniciativas desenvolvidas pelos artistas do Garatuja receberam diversos prêmios certificando a qualidade dos trabalhos. Dentre os mais importantes o Petrobras Cultural, o Selo de Qualidade de Iniciativa Exemplar do Prêmio Cultura Viva (entre as 100 principais iniciativas do País), o Prêmio Culturas Populares, a inclusão das animações nos principais festivais brasileiros de audio-visual, e recentemente no Catalogo Nacional de Produtores de Cinema da Programadora Brasil. Estamos em negociação quanto a local e data de lançamento desse material e em breve faremos a divulgação.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Oficinas de Artes Plásticas para crianças

Depois de cinco anos dedicados ao projeto Ponto de Cultura, atendendo gratuitamente alunos de escolas públicas do município, o Garatuja volta a oferecer vagas para alunos pagantes na faixa etária entre sete e treze anos. As oficinas acontecem toda quarta, nos períodos da manhã ou tarde. As atividades despertam a expressão da criança através de diferentes etapas e linguagens como: desenho, pintura, gravura, escultura, história em quadrinhos, marcenaria, animação, fotografia e outros. Nesses trinta anos de atividades o Garatuja desenvolveu didática própria no ensino da arte para crianças, através do diálogo entre antigas práticas do fazer artístico com os modernos processos digitais. O foco é sempre o lúdico e o imaginário buscando na criatividade e na curiosidade da criança a motivação para os elementos expressivos. Diferentes técnicas e materiais são utilizados, muitas delas de difícil acesso no dia a dia da criança, enriquecendo sua formação global, aprimorando a coordenação motora, sua auto-estima e o gosto pelas artes plásticas. A oficina, para essa faixa etária, acontece às quartas feiras, com aulas de duas horas semanais e com atividades diferenciadas de acordo com a dinâmica das aulas. O custo é de R$ 150,00 mensais e o material está incluído no custo.


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Projeto Garatujas e Cambalhotas Resultados obtidos 2

Dando sequencia ao post anterior apresentamos os resultados obtidos durante as atividades desenvolvidas entre 2010 e 2012, período em que o Instituto Garatuja atuou por meio de convênio com o Prêmio Ponto de Cultura de São Paulo, na parceria entre o Ministério da Cultura /Programa Mais Cultura e a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.


O que mais demonstra o impacto nos trabalhos do Garatuja é a qualidade das ações formativas em decorrência do perfil artístico-cultural. A principal forma de impacto diz respeito ao fator de transformação do indivíduo. É o indivíduo a peça fundamental da sociedade. Trabalhos de formação artística, voltados à reflexão, consciência e expressão, mudam a sociedade. Cada criança que passou pelo projeto, com certeza não é mais a mesma. Ao se trabalhar com o corpo, as mudanças são profundas. Impacto significa também transformação. Quando a criança acessa o Garatuja, percebe-se depois de algum tempo uma diferença, em amplo sentido, tanto da expressividade artísticas como mudanças fundamentais no comportamento, junto à família, no desenvolvimento escolar, na auto-estima e na sociabilidade. As atividades de arte coletivas como a dança, o teatro, o canto coral, são grandes aliadas na vida social das crianças, por serem trabalhos essencialmente feitos em grupo. O resultado, nesse sentido é incomensurável. É a auto-estima da criança que melhora com as apresentações, é a criança que passa a ser multiplicadora no seu meio estudantil, é a animação que entra nos principais festivais do ramo no país, etc. Os principais resultados impactantes nos participantes da dança foram a melhora na concentração e a consciência proprioceptiva, ou inteligência sinestésica, expressividade, técnica nos processos básicos da dança. No Canto Coral, o processo de evolução das crianças e suas percepções demonstraram: melhora na afinação, maior desenvoltura corporal (consequência do trabalho da Élsie) integração e consciência de grupo, maior análise crítica musical, percepção da importância de cada um para uma boa apresentação, frequência nas aulas, melhora nas experiências tanto musicais quanto sociais, responsabilidade, concentração e empatia com os colegas, empenho e gosto pela atividade (consequência do trabalho Roberta Forte). Nas artes plásticas e visuais fica visível a melhora na concentração, no interesse por atividades mais concentradas, no aumento da autoestima, das habilidades motoras, etc. O projeto Garatujas e Cambalhotas foi divulgado inicialmente para cerca de 12.000 estudantes incluindo a rede municipal e estadual de ensino fundamental. Embora tenha sido feita pesquisa com 20% dos pais envolvidos em 2012, este resultado mostra a importância de se ter acesso às escolas no ato da divulgação. Em seguida a propagação “boca a boca”, que também é consequência da divulgação em escolas. A proposta do projeto era um curso de continuidade e alguns participantes se inscreveram em mais de uma atividade. Verificamos um aumento de frequência no segundo ano do projeto somando novos interessados, consequência do trabalho feito durante o primeiro ano. No terceiro ano houve um apuramento nos grupos permanecendo nas atividades aqueles que tinham mais aptidão, interesse e principalmente, o apoio dos pais. O público alvo deste projeto foram crianças e jovens estudantes de escolas públicas de ensino pré escolar e fundamental de 4 a 14 anos, inicialmente. Após alteração de plano de trabalho, incluímos maiores de 14 anos na oficina de dança clássica e no Coral Percussivo, atendendo à uma demanda existente e objetivando continuidade das maiores que frequentaram as oficinas anteriores. As oficinas de artes, dança e musicalização receberam crianças de ambos os sexos, porem por uma questão cultural e de preconceitos, na dança temos mais meninas. Não pesquisamos a renda familiar dos pais, mas tem pessoas que estão nas escolas públicas que tem razoável condição financeira. Mas temos vários que comprovadamente dispõe de bem poucos recursos. Neste último projeto disponibilizamos 375 vagas em 37 oficinas que compunham os cursos na área de Artes Visuais e Cênicas.Tivemos um público diretamente atendido com 347 vagas preenchidas. Vários alunos se matricularam em mais de uma oficina. Em 2012 o Garatuja atendeu 114 participantes.  Há um impacto indireto nas famílias, que se envolvem nas atividades em apoio aos filhos, multiplicando este número por cinco (média de familiares diretos). Elevando este número para cerca de 1800 pessoas indiretamente. Embora o Garatuja não esteja sediado em bairro periférico, vários participantes vieram frequentar, se locomovendo de ônibus ou moto táxi, além daqueles que os pais podiam trazer, revezando-se para ajudar a transportar mais de uma criança. O auxílio com transporte público municipal seria uma solução para maior atendimento aos estudantes de baixa renda. Nos relatórios internos feitos com as participantes da dança, mesmo notando certa dificuldade nas de menor idade em verbalizar, tanto com palavras escrita como na entrevista que filmamos, apareceram diversas manifestações positivas do trabalho. As crianças menores precisaram de ajuda para responder as perguntas. Esses relatórios foram feitos em várias aulas juntamente com revisão prática dos conteúdos. Neles, elas responderam perguntas a respeito dos conteúdos das oficinas, incluindo diálogos. Foram vários relatórios de oficinas: 1) Danças brasileiras e Brincadeiras dançadas e cantadas; 2) Ludodança, dança moderna e contemporânea e Domínio do movimento; 3) Dança clássica; e 4) Geral sobre a participação no projeto. Com os pais, foram várias reuniões, cujo impacto se notou junto àqueles que se comprometeram realmente com as atividades dos filhos. Do início ao fim do projeto foram feitas 6 reuniões com os pais/responsáveis pelos participantes e duas confraternizações de fim de ano, envolvendo pais e filhos. Para as reuniões finais, preparamos um questionário e recolhemos em vídeo,depoimentos dos pais  para constarem na edição dos extras do DVD.  Foram entrevistados 20% dos participantes que permaneceram até o final do projeto em 2012.


O resultado numérico das respostas demonstrou que o primeiro contato com o projeto foi através da divulgação com panfletos distribuídos nas escolas e em segundo lugar a repercussão “boca a boca”, consequência dos panfletos. Os estudantes e pais, não acessam a informação sem a divulgação nas escolas. Em terceiro, os estudantes que já participavam e conheciam o Garatuja, em quarto lugar, a divulgação nas midias digitais, jornais e cartaz posto nas escolas. Por Último, contatos telefônicos. Este resultado constata e mostra a importância de se ter acesso às escolas no ato da divulgação de qualquer iniciativa cultural. Quanto aos motivos da escolha do projeto (artístico-cultural), o mais citado foi a oportunidade de aprender algo novo, seguido do interesse do desenvolvimento em áreas artísticas, percepção dos pais quanto à aptidão dos filhos. Com menos enfase, a necessidade do estudante fazer uma atividade que melhore outros fatores no seu desenvolvimento (concentração, postura, dificuldades de fala, timidez, deficiência de movimentos, etc.). Por último, a indicação de terceiros (amigos, conhecidos, professores e outros profissionais) e o interesse da própria criança. Como este questionário era específico para os pais, talvez eles tenham se preocupado com a própria postura na educação dos filhos, pois no questionário aplicado às crianças, esse número se inverte. No momento da entrega do panfleto, a criança já manifesta o interesse levando a informação aos pais. Quanto às condições oferecidas para realização das oficinas e eventos, tais como, materiais, equipamentos, figurinos, indumentárias e acabamentos, localização, organização, espaço de aulas, espaço de apresentação utilizados, viagens, e outros a classificação apresentada foi do bom ao excelente, sendo que a maioria considerou o Ótimo. Quanto aos benefícios das atividades do projeto os pais manifestaram melhoras no desempenho escolar, na comunicação gráfica e escrita, na concentração, no interesse específico pela atividade escolhida com foco em perspectivas profissionais futuras em áreas correlatas, melhora na postura física e emocional, no controle da ansiedade, cura de determinadas dores físicas decorrentes de má postura e vícios de movimentos de dança, melhora no desempenho de determinados movimentos, na coordenação motora e controle motor, no ritmo, na afinação vocal, na fala, na dicção, na comunicação e expressividade oral, no vocabulário, na identificação com o que está fazendo, no humor, no ânimo, no entusiasmo, na manifestação de alegria. Tais benefícios são incomensuráveis e contribuem de fato na luta contra os males contemporâneos da exclusão, das drogas, da violência, do bullying, dos desequilíbrios psicológicos, psíquicos, etc, etc.etc.

Em breve a terceira e última parte da prestação pública das atividades desenvolvidas pelo Garatuja enquanto Ponto de Cultura.


terça-feira, 14 de maio de 2013

O acervo de arte Infantil do Garatuja

Desde seu inicio o Garatuja desenvolve atividades voltadas ao ensino das artes plásticas a jovens e crianças da Região Bragantina. Esse trabalho nunca parou, completando em 2013 três décadas de existência. A principio a ênfase eram as Técnicas Mistas e a Gravura, herança de Joaquim Gimenes Salas. Gimenes foi gravurista e desenvolveu entre fins da década de setenta e inicio da década de oitenta um trabalho pioneiro na cidade voltado ao ensino da arte para crianças chamado Clubinho de Artes e Arteiros de Atibaia. Após seu falecimento, em 1983, o Clubinho passou a chamar-se Garatuja e ter a direção artística de Márcio Zago. Outras atividades passaram a fazer parte das propostas. A primeira foi a Marcenaria que ganhou espaço próprio quando da mudança de endereço, seguidos da Serigrafia, Fotografia, História em quadrinhos, Animação e por fim a Gravura em metal. Alguns trabalhos feitos pelas crianças não foram levadas pelos autores e, por algum motivo, acabaram ficando no Garatuja. Esse material passou a fazer parte do acervo, que conta com aproximadamente 500 trabalhos, realizados em diferentes técnicas por crianças entre 4 a 16 anos. Compõe ainda o acervo mais de 1000 desenhos, já digitalizados e catalogados, que revelam o rico imaginário da produção infantil, além de brinquedos, objetos e fotografias. Esse material está servindo de apoio na sistematização do trabalho desenvolvido pelo Garatuja e será em breve transformado em livro.


sexta-feira, 19 de abril de 2013

Projeto Garatujas e Cambalhotas Resultados obtidos 1

Apresentamos parcialmente os resultados obtidos durante as atividades desenvolvidas entre 2010 e 2012, período em que o Instituto Garatuja atuou por meio de convênio com o Prêmio Ponto de Cultura de São Paulo, na parceria entre o Ministério da Cultura /Programa Mais Cultura e a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo



























Um fator demonstrativo de resultados é o próprio histórico do Garatuja, cujas atividades perduraram por trinta anos consecutivos. Com um perfil muito próprio é a iniciativas mais antiga da Região Bragantina, e foi o primeiro Ponto de Cultura credenciado da cidade. O Garatuja  inseriu o programa Cultura Viva na região que conta hoje com cerca de 7 Pontos de Cultura. Só esse fator já demonstra uma das formas de impacto. Quando iniciamos nossas atividades não havia políticas públicas para cultura voltados a cidades pequenas. Com a criação do Programa Cultura Viva, em 2005, adaptamos nosso formato jurídico para entidade sem fins lucrativos, e pudemos concorrer em editais públicos. Dessa forma, fomos contemplados com os convênios dos Pontos de Cultura por duas vezes. O Primeiro (da criação do grupo cênico Terrícolas e Terranteses 2) realizado de 2008 a 2009. Em seguida, o prêmio Ponto de Cultura do Estado de São Paulo (Garatujas e Cambalhotas: Registro e Documentação da Arte na Infância) realizado de 2010 a 2012. Nosso trabalho é bastante conhecido e respeitado em Atibaia, pelo longo período de atuação.















Visibilidade
Durante os últimos três anos, realizamos oficinas com grupos fechados, o que restringe um pouco o  envolvimento com outros setores da cidade. Tem os momentos de criação, que são concentrados no próprio espaço com a realização das oficinas, e tem o momento de expansão, quando os resultados são mostrados, ganham circulação e dão visibilidade. Neste último projeto, Garatujas e Cambalhotas, foram realizadas 40 oficinas co-relacionadas para formação nas Artes Visuais e Artes Corporais e Cênicas distribuídas semestralmente e por interesse de desenvolvimento das distintas faixas etárias. O Garatuja, no período dos dois convênios do programa Cultura Viva, se efetivou como escola de formação nas artes. As oficinas, no caso das artes, assim como as “disciplinas” de um ensino formal,  se desenvolveram em etapas sequenciadas de acordo com a idade das crianças. As propostas do plano de trabalho foram: Artes Plásticas e Visuais: para os menores de 5 a 7 anos: desenho, pintura, encrustação, escultura, modelagem e máscaras. Para os maiores de 8 a 12 anos, marcenaria, fotografia, gravura, serigrafia, cenografia e objetos de cena (integrada ao teatro), Historia em Quadrinhos, Animação, Desenho Animado e Vídeo. Dança: a fomação para os pequeninos consistiu em Ludodança, Danças e Brincadeiras Cantadas, Musicalização e Canto Coral; Para os maiores de 8 a 15 anos Danças Tradicionais Brasileiras, Dança Teatro, Canto, Técnicas Associadas para Dança I e II, Domínio do Movimento (Sistema Laban), Balé Básico I e II,  Dança Clássica Intermediário I e II, Canto e Percussão Corporal. Todas as oficinas realizadas pelo Garatuja geram resultados expressivos onde há a preocupação com a qualidade estética, o acabamento, dando importância ao que é produzido pelas crianças e jovens. Com as oficinas foram geradas as Mostras de Dança e Canto Coral, apresentações e trabalhos conclusivos em animação, desenho animado, quadrinhos, video, danças, teatro, exposição.















Garatujas e Cambalhotas em números
Teatro: A Viagem do Barquinho – 12 apresentações; Dança teatro: Parolas – 8 apresentações; Dança Moderna e Contemporânea: Cinestesias (com várias danças) – 12 apresentações,  Videodança – 2  apresentações, Olhos – 5 apresentações; Ludodança:  Em Sabão Há Bolha – 5 apresentações; Tangolomango – 2 apresentações; O Vapor de Cachoeira – 2 apresentações; Tutu Marambá – 6 apresentações; História da Coca – 5 apresentações; Mamãe Polenta – 5 apresentações; Viva Binquedo Vivo 1 (brinquedos dançados, em 2010) – 2 apresentações, Viva Brinquedo Vivo 2 (brinquedos dançados em 2011) – 6 apresentações; Dona Iselda Tecedeira – 7 apresentações;  Do Bélico ao Belo – 5  apresentações; A Roda é uma Roda, é uma Roda – 5 apresentações; Visível In Visível – 8  apresentações. Balé: Valseando (duas danças) – 5 apresentações;  Bailados com Flauta (3 danças) – 2 apresentações; Bailados com Violão (tres danças) – 5 apresentações; Bailados com Piano (tres danças) – 2 apresentações, Bailado com Viola Caipira (O uma dança) – 6 apresentações. Danças Brasileiras: Ciranda, Coco, Siriri, Megulhão, Bumba-meu-Boi, Dança dos Galantes, Jongo, Congada, Moçambique, Fandango Paranaense, Samba de Umbigada,  Frevo, Maracatú, Pau de Fitas – várias apresentações com repertório diferenciado em escolas, praças e no Garatuja. Coral Percussivo Garatujas e Cambalhotas: 15 apresentações com repertório variado. A maioria das apresentações ocorrem nas temporadinhas do próprio teatro de bolso do Garatuja. Sentimos falta de mais oportunidade de circulação dos trabalhos. Como resultado concreto das atividades de artes plásticas foram geradas aproximadamente 300 trabalhos em técnicas mistas, 60 gravuras, 30 fotografias e 20 objetos de marcenaria que fizeram parte da exposição que realizamos em outubro de 2011. Novos resultados ainda estão por vir, quando o CD Criandanças e o DVD Garatujas e Cambalhotas A Arte na Infância , produzido em 2012, for difundido nos lançamentos, momento de propagação do trabalho junto à outros formadores, educadores, pais, etc.  Esses são alguns resultados, que consideramos importantes, e que incluem os produtos culturais, como cd, dvd, animações, exposições e o rico processo de formação pelo qual as crianças e jovens tiveram acesso. Em 2012, das quase quarenta crianças que permaneceram matriculadas nas oficinas de dança, musicalização e canto coral, pelo menos dez delas merecem dedicação exclusiva para desenvolverem-se na dança e nas artes cênicas, que possam resultar num grupo. O impacto dos resultados do projeto Garatujas e Cambalhotas foram diversos se olharmos por vários ângulos. Durante cinco anos, dos dois convênios, o Ponto de Cultura do Instituto de Arte e Cultura Garatuja teve alguns apoios do poder público municipal dentre eles, espaço para apresentação 3 vezes, e exposição 1 vez, a participação no Festival de Teatro Estudantil 1 vez, a apresentação para a programação de férias da biblioteca 2 apresentações, transporte para Itatiba, 1 vez, Joanópolis, 1 vez e para Piracicaba, 1 vez. As demais apresentações ocorreram nos encontros regionais com recursos da organização da TEIA Regional (em Indaiatuba) e a TEIA Estadual (em Guarulhos). A participação, no encontro Estadual organizado pela Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo ocorrido em Americana, foi com recurso do próprio Ponto, para o transporte, e dos pais, para alimentação.

Em breve daremos seqüência a matéria.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Secretário de Cultura Jaime Santos visita o Garatuja.


Márcio Zago, fundador do Garatuja e o Secretário
Municipal de Turismo e Cultura, Jaime Santos.
Na tarde de sexta-feira o Garatuja recebeu a visita do Secretário Municipal de Cultura e Turismo de Atibaia, Jaime Santos. Na ocasião tivemos a oportunidade de mostrar, além do espaço físico, um pouco do trabalho desenvolvido na formação artística de jovens e crianças da região bragantina por três décadas consecutivas. Salientamos a importância desses contatos com o poder público objetivando maior integração do trabalho com a cidade. Na área cultural a cooperação e a troca entre quem produz cultura e quem faz gestão é fundamental para que todos saiam ganhando, principalmente os cidadãos. Esse conceito faz parte da postura do novo Secretário, fato que nos alegra e incentiva a continuar trabalhando. Nossa história está intimamente ligada à nossa cidade. São raros os espaços culturais, situados fora dos grandes centros, que resistem por tanto tempo na área cultural e de forma independente, especialmente, na formação artística. Justamente por isso somos conhecidos e reconhecidos além das fronteiras de Atibaia. É com a experiência, de todos esses anos, que temos muito a contribuir na formação de jovens e crianças. Esse fato se constata com os diversos editais estaduais e federais nos quais fomos premiados. Dentre os mais importantes, o selo de qualidade do Prêmio Cultura Viva, oferecido pelo Ministério da Cultura e Cempec, na qual fomos semi-finalista e que nos qualificou como uma das “iniciativas exemplares” entre cem entidades culturais de referência no país. Um dos fatores que dá peso à essas qualificações não é só o tempo de existência mas, principalmente a continuidade dos trabalhos. Nossa área de atuação é bastante ampla, contemplando ações tanto na cultura popular como na erudita. Na cultura popular destacamos as pesquisas, referentes às Congadas de Atibaia, de Élsie da Costa, uma das fundadoras do Garatuja. Sua primeira publicação  foi o livro Ternos de Congos de Atibaia, Prêmio Silvio Romero de 1978, e editado pela Funarte em 1981. Em 2005 realizou o maior, e mais amplo trabalho de registro das manifestações tradicionais de Atibaia com o Kit Universo Poético Musical dos Congadeiros de Atibaia, composto pelo livro Balanceia Meu Batalhão, o vídeo Oi Lá no Céu ! e o CD Cor da Nossa Terra. Na cultura erudita destacamos a Dança, com realização de mostras e oficinas, tanto na dança clássica como a moderna ou a popular, com participação de vários profissionais, dedicadas tanto aos jovens como às crianças. O Corpo de Dança de Atibaia, criado em 2007 com o projeto A Linguagem da Dança foi contemplado pelas oficinas Culturais do Estado.  Teve continuidade com o grupo Cênico Terrícolas e Terranteses 2, contemplado em 2008 como Ponto de Cultura. A dança, no Garatuja, se desenvolveu num curso múltiplo de três horas diárias integrando os diferentes conceitos de método, sistema e técnica. Formas diferentes de abordagem da dança como linguagem expressiva, somando o reprodutivo com o criativo. O Teatro, com a realização de várias oficinas, onde o ponto de partida foi o corpo, resultou recentemente na encenação A Viagem de um Barquinho; Nas artes plásticas e visuais realizamos várias oficinas, exposições e mostras. Marcio Zago, artista gráfico e artista plástico, além de seu trabalho pessoal, realiza com crianças e jovens atividades em várias áreas como: pintura, gravura, marcenaria, fotografia, história em quadrinhos, vídeo e animação. Com a animação A Viagem de um Barquinho o Garatuja passa a integrar o catálogo da Programadora Brasil, iniciativa do Ministério da Cultura que tem como finalidade facilitar o acesso a filmes nacionais de qualidade através dos cineclubes credenciados. Nosso diferencial é a junção dos procedimentos analógicos, com os modernos recursos digitais, a exemplo da fotografia e a gravura além da animação. O Garatuja foi contemplado com o Ponto de Cultura por duas vezes, no primeiro, Terrícolas e Terranteses 2, dedicou-se aos jovens, no segundo, às crianças. A proposta Garatujas e Cambalhotas; Registro e Documentação da Arte na Infância, foi um amplo curso de formação com oficinas que integraram várias formas de conhecimento nas artes. No segundo semestre faremos o  lançamento do vídeo Garatujas e Cambalhotas - Expressão e Arte na Infância e o CD Criandanças.  O Vídeo é um documentário de 68 minutos contendo histórico, trajetória e o processo de trabalho desenvolvidos por seus fundadores. O CD traz composições de domínio público, e composições próprias, de poemas de autoria de Élsie da Costa, arranjados e musicados por Roberta Forte com a participação dos músicos Renato Consorte e Paulinho Paes. A interpretação ficou por conta do Coral Percussivo Garatujas e Cambalhotas formados por crianças das oficinas de musicalização, canto coral e percussão corporal. Esse trabalho teve a coordenação da musista Roberta Forte. Ao iniciarmos os preparativos para os eventos comemorativos aos trinta anos de existência das atividades que formaram o Garatuja, o encontro com o Secretário de Cultura foi o primeiro passo. Além do apoio do poder público, também estamos em busca da participação da iniciativa privada e todos os envolvidos em nossas atividades, como de alunos, ex-alunos, pais, amigos e simpatizantes. Para quem quiser conhecer melhor o trabalho desenvolvido pelo Garatuja basta acessar os links contidos a direita, abaixo do selo Garatuja-30 anos e conhecer os blogs temáticos já disponíveis.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Curso Profilaxia do Movimento



















Trata-se de um prática preventiva onde determinados movimentos, feitos diariamente, melhoram o estado geral da pessoa. Profilaxia é um termo usado pela medicina, e tem como objeto as medidas preventivas contra enfermidades (Dicionário Aurélio). O uso da palavra é uma transposição para uma prática corporal que beneficia a saúde do movimento do corpo. São aplicados movimentos, fazendo-se perceber a organização da estrutura óssea e o alongamento na região das articulações; a partir disso observar-se o tônus da musculatura. Nas sequência de movimentos, a musculatura posterior e anterior do corpo vai sendo trabalhada de forma gradativa, sem provocar excessos de uso, tanto no alongamento como na contração. Não se trata de uma ginástica para “malhar” o corpo, pois “malhar” dá impressão de auto flagelo, mas de uma prática carinhosa e respeitosa. O propósito é que o trabalho aconteça num período maior de prática. Os resultados não são repentinos, mas após alguns meses de prática regular é que começam a ser percebidos, tornando a pessoa mais consciente das suas posições e movimentos diários, equilibrando melhor os esforços. A exemplo: na maneira de se sentar, de andar, de se apoiar, de pegar determinados objetos e as posições para determinados trabalhos de característica sedentária. O trabalho é orientado de forma descontraída e conta principalmente com a auto-observação do praticante e apresenta melhor resultado quando praticado pela manhã, bem cedo, antes de se iniciarem as atividades do dia. Isso porque o corpo permaneceu em repouso durante a noite. Ao retomar o movimento deve-se dar atenção especifica às suas partes de acordo com a necessidade de cada pessoa, pois as pessoas têm hábitos cotidianos diferentes. Além disso após a prática, o dia se organiza melhor. Os benefícios percebidos são diversos. Diminui a sensação de peso, há uma melhora visível na organização interna, a mente fica mais limpa ajudando a melhorar e superar obstáculos melhorando o desempenho dos afazeres diários. A prática é para adultos dos 20 aos 50 anos que têm vida sedentária. Está acontecendo no Garatuja, às segundas, quartas e sextas-feiras, das 06:45h às 07:45h. Horário ideal para pessoas que entram cedo no trabalho às 8h ou 8:30h. Outro grupo esta se organizando no final da tarde, das 17h às 18:30h, em terças e sextas-feiras. Neste horário, já são outras práticas corporais apropriadas para restaurar o corpo do cansaço e das tensões adquiridas ao longo do dia. A ideia é: começar e finalizar bem o dia. O grupo terá número limitado de participantes, mínimo 5 e máximo 8 pessoas para que se possa dar atenção às especificidades de cada uma. Abaixo um pequeno bate papo sobre o curso.


O curso será realizado em dois horários:

Manhã
De 01 de abril a 13 de julho 2013
Novo horário: Segundas, quartas e Sextas 06:45 às 07:45 H
3 horas semanais, 3 vezes por semana com aulas de 1h.
30 aulas de 90 minutos. Total do curso: 45 horas/aula
Investimento Total do curso R$ 600,00
4X R$ 150,00 – com cheques pré-datados.

Tarde
De 02 de abril a 13 de julho 2013
Novo horário: Terças de Sextas 17 às 18:30H
3 horas semanais, 2 vezes por semana com aulas de 1h e meia.
30 aulas de 90 minutos. Total do curso: 45 horas/aula
Investimento Total do curso R$ 600,00
4X R$ 150,00 – com cheques pré-datados.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Danças Brasileiras Módulo 1
















O Garatuja desenvolve projetos e oficinas com temáticas das danças populares brasileiras desde 1999. Com coordenação da pesquisadora em dança e culturas populares Élsie da Costa, vários ciclos de oficinas já aconteceram anteriormente, contando com outros pesquisadores e mestres como Lilian Vilela (ciranda, coco, frevo e maracatu) Lucilene Moreira (cacuriá), Tião Carvalho (bumba-meu-boi maranhense), Graziela Rodrigues (memória do corpo),  Flavia Maia, Luciana Orsi, Francisco Simão (maracatu), Dayse Alves (dança dos galantes e moçambique), Silvio de Oliveira (moçambique de bastão), Paulo Dias (jongo e batuque de umbigada), André Luis de Oliveira (jongo de Guaratinguetá), Leandro Diéguiz e Heraldo Simão (fandango paranaense), Rosana Baptistella (siriri matogrossense), Maria Luiza Caetano da Silva (congada vermelha) e Marcio Mariano (congada rosa).  No curso de Élsie da Costa, a cultura popular e o fortalecimento da identidade cultural, bem como a interiorização de valores telúricos, acontecem por meio de práticas corporais e danças, somados a elementos cotidianos. As dinâmicas de movimento são extraídas de danças como o jongo paulista, o maracatu, dança dos galantes, bumba-meu-boi, moçambique e congada, entre outras. Este módulo se inicia com preparação corporal, seguindo-se com  elementos fundamentais da dança como espacialidade, temporalidade, intensidade dos gestos, flexibilidade, agilidade e resistência nas dinâmicas de movimento, entre outros fatores. Os movimentos iniciais deste módulo serão extraídos de danças e manifestações como a ciranda, o côco, o megulhão (do cavalo marinho), congada, entre outras. Neste módulo, não se pretende ainda desenvolver cada dança especificamente. Isso ocorrerá a partir do desenvolvimento do grupo. O curso e os módulos serão conduzidos por Élsie da Costa, realizadora do projeto Universo Poético-Musical dos Congadeiros de Atibaia. Elementos da pesquisa sobre as congadas de Atibaia fazem parte do curso. Élsie tem na sua vida vários prêmios, dentre eles o Prêmio Silvio Romero pela monografia Ternos de Congos, publicada em 1981; o prêmio Petrobras Cultural em 2004, para a publicação do livro Balanceia Meu Batalhão, do vídeo Oi Lá no Céu e do CD Cor da Nossa Terra com a pesquisa das manifestações que envolvem as congadas de Atibaia. Este projeto, Universo Poético-Musical dos Congadeiros de Atibaia, realizado junto com a Associação Cachuera!, foi ganhador dos prêmios Cultura Viva e Culturas Populares “Mestre Duda Cem Anos de Frevo”. Em 2007, foi contemplada com o PROAC, no edital "Promoção da Continuidade das Culturas Tradicionais" fazendo a integração da congada Branca com jovens estudantes de ensino fundamental. Outros módulos, com formas específicas das danças, devem se desenvolver durante este ano, incluindo-se a percussão. 

Danças Brasileiras
Qualquer idade a partir de 12  aos 50 anos.
Mínimo de participantes no grupo – 8 pessoas.
De 6 de abril a 13 de julho 2013.
Novo horário: aos sábados das 10 às 12h.
2 horas semanais, 1 vez por semana com aulas de 2h.
15 aulas de 60 minutos. Total do curso: 30 horas/aula
Total do curso R$ 540,00
4X  R$ 130,00 – com cheques pré-datados.

domingo, 24 de março de 2013

Novos cursos 2013

Estamos finalizando o Projeto Garatujas e Cambalhotas - Registro e Documentação da Arte na Infância, que teve como meta a sistematização de nosso trabalho. Como resultado será lançado em breve um vídeo DVD e um CD com interpretações do Coral Percussivo Garatujas e Cambalhotas, criado nesse período. Foram atendidos, gratuitamente, estudantes de escolas públicas de 5 a 14 anos durante três anos. Isso foi possível com a subvenção do programa Mais Cultura do Ministério da Cultura em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, pelo concorrido edital público Pontos de Cultura do Estado de São Paulo. Toda a Infra-estrutura do Garatuja, incluindo-se aí o imóvel, foi cedido graciosamente por seus artistas fundadores e disponibilizado às crianças e jovens participantes, assim como mobiliário, ferramental, equipamentos e principalmente conhecimentos adquiridos durante décadas. Não há previsão de novas oportunidades de subvenção para atividades destinadas à participantes de menor renda, portanto retornamos nossas atividades normais com oficinas de arte, oferecendo cursos para várias faixas etárias em diferentes horários, nas áreas de artes plásticas e dança, com mensalidades compatíveis ao mercado.

Artes plásticas para jovens e crianças:
As turmas serão agrupadas de acordo com a faixa etária, e destinam-se às crianças maiores de sete anos. As oficinas acontecem durante o ano todo, com aulas semanais de duas horas de duração. O aluno terá oportunidade de vivenciar diferentes técnicas como: desenho, pintura, gravura, marcenaria, fotografia, história em quadrinhos, desenho animado e técnicas mistas. O enfoque é a expressividade, criatividade e o lúdico da criança.

Dança para jovens e adultos:
Dança Clássica e a Consciência do Corpo, para jovens e adultos maiores de quatorze anos, que já tenham conhecimento prévio de dança. Técnicas Associadas para Dança Moderna para jovens e adultos maiores de quatorze anos, sem obrigatoriedade de prática anterior em dança. Dança clássica para jovens iniciantes maiores de 12 anos. Outros cursos ainda serão divulgados. Os cursos oferecem práticas para um movimento consciente e expressivo, com exercícios diversos, em barra, no solo, seqüência de preparo postural, propostas de improviso e criação.












































Outros cursos serão divulgados.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Selo Comemorativo Marca os Trinta Anos de Trabalho do Garatuja.


























O ano de 2013 é muito especial para o Garatuja. Ele marca os trinta anos de atividades consecutivas de seus fundadores e do espaço no ensino, promoção e difusão da arte e da cultura na cidade de Atibaia. O início do Garatuja está ligado ao trabalho do gravurista Joaquim Gimenes Salas. Foi ele que anos setenta, paralelo ao trabalho de artista plástico, iniciou as primeiras experiências inovadoras no ensino da arte voltado às crianças da cidade. A iniciativa veio de um convite feito pela Geane Rabaneda Lopes, que na época era proprietária  da primeira escola com proposta construtivista em Atibaia - a Escola Monteiro Lobato. Logo o Clubinho de Artes e Arteiros de Atibaia, como era chamado, começou a despertar atenção dos pais e demais pessoas ligadas a educação, pela forma livre e didática arrojada. Após o falecimento de Gimenes, a convite de sua esposa Maria, Márcio Zago passa a trabalhar em seu atelier nas oficinas com crianças. Um ano depois deixa o atelier e monta seu próprio espaço, nomeando Atelier Garatuja, alterando em seguida Garatuja - oficinas de Arte. Em 2005, após ter um projeto aprovado pela Petrobras e confiante nos novos rumos da política cultural implementada pelo Governo Federal, é alterado seu formato jurídico, alternativa para atender interessados de baixa renda e alunos de escolas públicas, surgindo então o Instituto de Arte e Cultura Garatuja. Em 2006 o Garatuja foi semi-finalista no Prêmio Cultura Viva, do Ministério da Cultura e CEMPEC. Esse prêmio é de âmbito nacional e confere ao espaço estar entre as  iniciativas exemplares e de referência em todo país.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Retrospectiva Garatuja 1

1983 / 2013 - 30 anos de arte e cultura em Atibaia.



Nesse ano o Garatuja completa 30 anos de existência (ou seria resistência ?) e como em todo rito de passagem, a primeira coisa que nos vem a cabeça é o passado. Pensando nisso postamos abaixo um vídeo de 1992 feito pelo nosso amigo Peter Goldschmidt, que na época desenvolvia um trabalho ligado a comunicação local chamado ATV. Lembro-me que não tínhamos dinheiro para pagar as inserções publicitárias e a saída encontrada foi trocá-las por serviço. Dessa forma projetei e construí o cenário que era utilizado para as apresentações de tele-jornais e entrevistas veiculadas pela ATV. Nesse vídeo, embora magros e ainda com os cabelos pretos ( no meu caso - com mais cabelos ) a conversa ainda era a mesma: falávamos da importância da expressão artística para as crianças. Aliás as crianças que aparecem nele, hoje são adultos, e com exceção do meu filho Vitor, do , da Tati e de outros aparentados, muitos dessas crianças nunca mais vi. É o caso do Álvaro, filho do João Paulo Correa Lima e da Neuza, da Nara, filha do Sergio e da Nanaia e ainda da Beatriz, do Emmanuel e tantos outros. Bons tempos aqueles...as cores ainda não haviam esmaecido, como nesse vídeo, e o mundo nos parecia possuir matizes bem mais vibrantes que hoje.